Portal de Indaiatuba

Sexta-feira, 19 de Julho de 2024
Rádio Jornal
Rádio Jornal

Colunas/BUSINESS NEWS RMC

Serra Azul vai receber 2,8 bi em novos investimentos

A região já recebeu R$ 700 milhões de investimentos.

Serra Azul vai receber 2,8 bi em novos investimentos
Foto - Divulgação
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O setor de turismo paulista registou em 2023 um crescimento de 7% na comparação com o ano anterior, movimentando R$ 289,9 bilhões, segundo levantamento realizado pelo Centro de Inteligência da Economia do Turismo (Ciet) da Secretaria de Turismo e Viagens (Setur) de São Paulo. O numero de visitantes ao Estado também teve forte alta, com 46 milhões de turistas no ano passado, um avanço de 7% entre os turistas nacionais, e de 40% nos internacionais.

Essa alta também traz beneficia a região Campinas, onde o turismo de negócios responde por 80% do faturamento da rede hoteleira da região, além de movimentar outros cerca de 50 setores da economia.

Quanto ao turismo de viagens e passeios, o incremento no número de viajantes também tem reflexos na região. É o caso do Distrito Turístico Serra Azul, formado pelos municípios de Vinhedo, Itupeva, Louveira e Jundiaí, que recebe mais de 10 milhões de turista por ano, segundo o presidente do Distrito Alain Baldacci.

A região já recebeu R$ 700 milhões de investimentos. Esse número deve quadruplicar até 2026, com aporte de mais 2,8 bilhões com a chagada de novos empreendimentos até 2026, segundo projeção de Baldacci.

CPQD desenvolve novas soluções para a chegada do 6G

O CPQD, com sede em Campinas, está desenvolvendo novas soluções para redes ópticas de olho nas próximas tecnologias de banda larga móvel, o futuro 6G. A fundação obteve R$ 12,1 milhões do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funtell) para iniciar o projeto ROTA-x – Redes Ópticas de Transporte, Acesso e xHaul do Futuro, que inclui iniciativas para trazer maior capacidade à infraestrutura de telecom.

Com duração de três anos, o projeto começou no ano passado e seu cronograma inclui a realização de testes experimentais preliminares em laboratório, o desenvolvimento de dispositivos ópticos e a validação, por meio de provas de conceito em parceria com operadoras de telecomunicações e provedores de internet.

Na área de redes ópticas de transporte, o objetivo é desenvolver tecnologias para suportar enlaces de alta capacidade, alinhadas a padrões internacionais de aplicação, como 400ZR e 800ZR. Já nas redes de acesso, serão desenvolvidas tecnologias para geração, multiplexação, transmissão e recepção de sinais ópticos em redes passivas com capacidade de, no mínimo, 50 Gbps.

Além disso, o projeto prevê o desenvolvimento de tecnologias para convergência entre redes ópticas e sem fio, visando prover infraestrutura para redes móveis (xHaul) 5G e, no futuro, 6G. Outro resultado previsto é a realização de provas de conceito integrando a camada física e os planos de controle, em redes definidas por software, com virtualização e elementos desagregados e interoperáveis.

Entre os impactos do projeto, destacam-se o aumento da capacidade e melhora da infraestrutura das redes ópticas, com ampliação do acesso à internet de qualidade. Do ponto de vista social, isso significa conectividade de qualidade em regiões situadas fora dos grandes centros urbanos para dar suporte a serviços avançados, como telemedicina e educação a distância.

Cepetro criará centro multiusuário para manufatura de células a combustível

A Unicamp deverá construir, neste ano, em seu campus, um centro multiusuário em tecnologias de manufatura de células a combustível. Um projeto apresentado no Centro de Estudos de Energia e Petróleo (Cepetro), em parceria com o Senai/Cimatec, ganhou um edital de R$ 9 milhões ligado ao programa Rota 2030, lançado em 2018 pelo governo federal com o objetivo de estabelecer uma política industrial para o setor automotivo.

“No cenário em que estamos, de transição energética, esse projeto é um dos principais pilares que estamos construindo dentro da universidade”, afirma o engenheiro químico Gustavo Doubek, professor da Faculdade de Engenharia Química (FEQ) da Unicamp e coordenador da iniciativa no Cepetro.

O centro trabalhará com um tipo específico de célula a combustível: a de óxido sólido (SOFC) com suporte em metal, bastante eficiente na conversão de energia química em elétrica. Diferentemente da célula a combustível polimérica, já mais consolidada no mercado, mas que só funciona com hidrogênio puro, o dispositivo de óxido sólido permite o uso de um hidrogênio não tão puro e mesmo de gás natural ou etanol.

“Atualmente, essas células são pesquisadas no Brasil em um nível de maturidade tecnológica muito baixa, TRL [Technology Readiness Levels] 1 ou 2, em alguns institutos de pesquisa e laboratórios, e somente com células pequenas. Esse projeto permitirá que se amplie a escala de manufatura dessas células. Vamos conseguir fazê-las com áreas maiores, mais próximas do que seria um produto. Estamos focando bastante na questão do processo de manufatura e de como utilizar esse processo”, explica Doubek. “É uma infraestrutura que não existe na América Latina.”

De acordo com Doubek, a iniciativa permitirá o fornecimento de protótipos em maior escala para que montadoras de veículos possam realizar avaliações próprias, de preferência de forma embarcada, e, assim, otimizar os processos fabris. A ideia é que o centro também seja utilizado por empresas que queiram montar protótipos próprios e certificar produtos e por centros de pesquisas e universidades para testes de novos materiais. “O centro será fundamental para que o setor automotivo desenvolva essa nova tecnologia, tanto em termos técnicos — na apreciação de protótipos e de sistemas de controle necessários — como do ponto de vista do custo do sistema”, afirma o pesquisador.

CURTAS

CCR estuda disputar o leilão do Trem Intercidades

Às vésperas do aguardado leilão do Trem Intercidades de Campinas (TIC), que vai ligar São Paulo a Campinas, a concessionária CCR, presente na região com concessões das rodocias Anhanguera e Bandeirantes, anunciou que estuda participar do leilão de concessão. O grupo deve se unir a um consócio de empresas.

Unicamp lidera pedidos de patentes feitos por universidades do Estado

A Unicamp liderou o ranking de pedidos de patentes de invenção feitos por universidades no estado de São Paulo em 2023, segundo levantamento feito pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi). No país, a instituição de ensino ocupa o terceiro lugar. A agência de inovação oficializou 40 intenções de patente em 2023, o dobro da participação no ano anterior. De 2015 a 2022, foram 593 invenções patenteadas pela Unicamp.

Comentários:
Business News RMC

Publicado por:

Business News RMC

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book.

Saiba Mais

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!