Portal de Indaiatuba

Quinta-feira, 18 de Julho de 2024
Rádio Jornal
Rádio Jornal

Notícias Saúde

Por que vacinar contra a raiva, mesmo com poucos registros da doença no Brasil?

Médica-veterinária da UniFAJ fala sobre a importância da vacinação antirrábica, que deve ser realizada anualmente.

Por que vacinar contra a raiva, mesmo  com poucos registros da doença no Brasil?
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A raiva é uma doença séria e letal, que atinge tanto animais quanto seres humanos. Apesar de poucos casos registrados no Brasil, a médica-veterinária e docente do curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Jaguariúna (UniFAJ), do Grupo UniEduK, alerta sobre a importância de vacinar os pets anualmente, já que a vacina é a única forma de prevenção contra a doença.  

Dados do Ministério da Saúde revelam que, entre 2010 e maio de 2023, 47 casos de raiva humana foram registrados no Brasil. Mas, atualmente, há uma grande preocupação das autoridades devido reaparecimento de casos. No ano passado, por exemplo, foram cinco mortes; enquanto que este ano dois óbitos já foram registrados por conta da doença. No mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde, a raiva humana mata 70 mil pessoas todos os anos.

Apesar de o número parecer pequeno, a grande preocupação é que a raiva humana ainda não tem cura. Historicamente, apenas duas pessoas foram curadas no Brasil. Por isso é tão importante agir de forma preventiva e a única forma é por meio da vacinação, cuja dose está disponível na rede pública e deve ser aplicada nos animais todos os anos, sem exceção.

“A vacinação de cães e gatos é obrigatória em território nacional e isso se justifica porque é a maneira mais eficaz de controle da doença na zona urbana. A doença se desenvolve apenas em mamíferos e, na área urbana, cães e gatos são os responsáveis por sua disseminação entre humanos. Já na zona rural, os morcegos são os principais responsáveis pela disseminação da doença e acabam afetando os bovinos e equinos”, salienta a docente do curso de Medicina Veterinária da UniFAJ, a médica-veterinária Aline Ambrogi.

De acordo com o Ministério da Saúde, entre os 47 casos registrados entre 2010 e este ano, nove tiveram agressões provocadas por cães, 24 por morcegos, cinco por primatas não humanos, dois por raposas, quatro por felinos, um por bovino e em dois deles não foi possível identificar a espécie de animal agressora. 

Aline ressalta que cães e gatos devem ser vacinados contra a doença a partir dos 3 meses de vida e, posteriormente, deve-se fazer o reforço anual. Bovinos e equinos também devem ser imunizados todos os anos. Em humanos a vacina é administrada em casos específicos, como em profissionais que estão em risco permanente, tais como médicos-veterinários, trabalhadores rurais e pessoas que atuam em laboratórios.

Mas como a doença é transmitida?  

A raiva humana é transmitida a partir do contato da saliva do animal infectado pelo vírus Lyssavirus, da família Rabhdoviridae, com a mucosa e pele de outros animais ou pessoas sadias, através de mordeduras, arranhaduras e lambeduras.

No organismo, o patógeno começa a se disseminar, podendo ser em ritmo mais lentou ou rápido, causando sintomas como:

- Mal-estar geral; - Aumento da temperatura; - Anorexia; - Dor de cabeça; - Náuseas; - Dor de garganta; - Entorpecimento; - Irritabilidade; - Sensação de angústia.

O grande perigo é quando a doença avança e atinge o sistema nervoso, causando febre, delírios, espasmos musculares involuntários e convulsões, podendo levar animais e pessoas a óbito. Segundo a médica-veterinária da UniFAJ, o diagnóstico não é tão simples.

“Embora exista testes para a identificação do vírus, é difícil diagnosticar a doença clinicamente, pois no início ela apresenta sintomatologia inespecífica”, ressalta Aline. “Em seres humanos, para confirmar a suspeita, realiza-se o exame de córnea do paciente. Já nos animais, muitas vezes as amostras e a confirmação vêm após ele ter sido eutanasiado ou ter vindo à óbito.”

Sobre o Grupo UniEduK

Há 24 anos no mercado, o Grupo UniEduK, é composto pelo Centro Universitário de Jaguariúna - UniFAJ, Centro Universitário Max Planck - UniMAX e Faculdade de Agronegócios de Holambra – FAAGROH, instituições reconhecidas com nota máxima (5) pelo MEC em corpo docente, infraestrutura e Projeto Pedagógico do Curso (PPC). Com a missão de promover a educação socialmente responsável, com alto grau de qualidade, propiciando o desenvolvimento dos projetos de vida dos alunos, o Grupo UniEduK tem como foco transformar o futuro das pessoas, na prática. Para tanto, dispõe de moderna infraestrutura em 9 campis, equipados com Hospital Veterinário, Interclínicas e Centro Clínico de Especialidades Médicas. Tendo como mote fornecer uma educação de qualidade e prática que empregue pessoas, o Grupo UniEduK não mede esforços para investir em inovação, pessoas, infraestrutura e tecnologias que façam a diferença na formação profissional. Para isso, a instituição de ensino conta com o Modelo de Ensino Educar, que utiliza de metodologias ativas, onde o aluno é o protagonista de sua jornada de aprendizagem e com certificações intermediárias para aumentar as chances de conquistar uma vaga no mercado de trabalho. São diversos cursos nas áreas de Saúde, Humanas, Exatas, Tecnologia e Agronegócio nas modalidades presencial e a distância, entre outras opções de pós-graduação, MBA, extensão e especialização. Todos os cursos presenciais possuem no mínimo 50% de aulas práticas desde o início, corpo docente altamente qualificado e infraestrutura moderna, com salas de aulas e laboratórios equipados de acordo com as necessidades do mercado de trabalho.

Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!